sábado, 31 de março de 2012

BLOG BÍBLIA: MARTELO DIVINO SUBSTITUI O BLOG BÍBLIA: ESPADA DO ESPÍRITO (Escrito por Sidcley Rodrigues do Amaral)




A paz do Senhor, amados irmãos!

Quero informar a quem está visitando este Blog que não estou atualizando mais as postagens aqui. Uma vez que o título "Espada do Espírito" ser muito comum na internet, resolvi criar o blog BÍBLIA: MARTELO DIVINO.

Assim, todas as postagens dos anos 2010, 2011 e 2012 estão no blog BÍBLIA: MARTELO DIVINO.

Destarte, convido a todos os internautas a irem no endereço: mdivino.blogspot.com/ ou então, simplesmente digite no google ou em outro site de busca as palavras BÍBLIA: MARTELO DIVINO.

No blog BÍBLIA: MARTELO DIVINO você encontrará dezenas de mensagens e estudos bíblicos sobre os mais diversos temas. Visite, participe e comente. Você é muito BEM-VINDO!

Para a meditação de todos: "Portanto, amados irmãos, sede firmes e constantes, sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que o vosso trabalho não é vão no Senhor" (1 Coríntios 15.58).

terça-feira, 3 de agosto de 2010

ARREBATAMENTO: A Esperança da Igreja (escrito por Sidcley Rodrigues do Amaral)




Como guardaste a palavra da minha paciência, também eu te guardarei da hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo, para tentar os que habitam na terra. (Apocalipse 3.20)


Amados irmãos, temos nessa passagem biblica a promessa escatológica que retrata a essência da esperança do cristão: o arrebatamento da Igreja!
O Senhor promete ao servo fiel, que guardou a Sua Palavra, que o livrará da hora de tribulação que há de vir sobre todo o mundo, para provar os que habitam na terra. Esse versículo tem recebido as mais diversas interpretações, o que, por conseguinte, deu origem a vários entendimentos divergentes quanto a ocasião do arrebatamento da Igreja.
Alguns estudiosos rejeitam o aspecto escatológico desse versículo, e dizem que Jesus estava se referindo a um momento histórico de perseguição já ocorrido no primeiro século de nossa era, do qual os crentes em Filadélfia seriam preservados. Não entendemos que esse versículo tenha uma interpretação puramente pretérita, pois nas cartas às igrejas da Ásia existem muitas alusões a temas escatológicos.

Outrossim, aqui Jesus se refere a um período definido de “tentação” (no grego philips, que significa Tribulação), que há de vir sobre todo o mundo (perceba a escala mundial desse evento), para tentar, isto é, provar os que habitam na terra (outra vez o aspecto global desse evento). Acreditamos que esse período de provação é a Grande Tribulação, a qual foi vaticinada por Jesus, no sermão profético do Monte das Oliveiras (Mt 24.21).
Defendemos que o versículo em comento trata do livramento que a Igreja terá, de não passar pela Grande Tribulação. Não obstante, há correntes de interpretação que divergem acerca de qual ocasião será a Igreja arrebatada. Existem três principais correntes acerca do assunto:
- Os pós-tribulacionistas: defendem a tese de que a Igreja passará pela Grande Tribulação, somente sendo arrebatada após o término da mesma;

- Os midi-tribulacionistas: acreditam que a Grande Tribulação propriamente dita somente ocorrerá na segunda metade dos sete anos de todo o período. Os midi-tribulacionistas entendem que a Igreja passará pelos três primeiros anos da Grande Tribulação, sendo arrebatada após isso;

- Os pré-tribulacionistas: entendem que a Igreja não passará pela Grande Tribulação, pois Jesus arrebatará a Igreja antes do início dos sete anos desse evento.

Este blog defende a corrente pré-tribulacionista, por acreditar que é a interpretação mais coerente com as Escrituras Sagradas acerca do assunto e é a que honra mais a expectativa e esperança da Igreja. Acreditamos que a segunda vinda de Cristo se divide em duas fases distintas: a primeira para arrebatar a Igreja (antes do início da Grande Tribulação); e a segunda fase, quando Cristo virá com a Igreja para reinar no mundo (ao fim da Grande Tribulação).
Além da promessa do versículo em comento, a Bíblia declara diversas vezes que a Igreja não passará pela Grande Tribulação, também chamada de “a ira vindoura”, como vemos nos textos abaixo (grifo nosso):

- E esperar dos céus a seu Filho, a quem ressuscitou dos mortos, a saber, a Jesus, que nos livra da ira futura (1 Ts 1.10);

- Porque Deus não nos destinou para a ira, mas para a aquisição da salvação, por nosso Senhor Jesus Cristo (1 Ts 5.9);

- Logo, muito mais agora, sendo justificados pelo seu sangue, seremos por ele salvos da ira (Rm 5.9);

- Vigiai, pois, em todo o tempo, para que sejais dignos de escapar de todas essas coisas que hão de acontecer e de estar em pé diante do Filho do Homem (Lc 21.36).

Os defensores da corrente pós-tribulacionistas afirmam que em parte alguma na Bíblia há como provar que a Igreja será arrebatada em duas fases distintas. No entanto, há na Bíblia mais de 300 referências que dizem respeito à Segunda Vinda de Cristo, as quais, quando são cuidadosamente analisadas, demonstram que o retorno de Cristo será em duas fases.
A primeira fase é o arrebatamento da Igreja, chamado de “a vinda”, do grego parousia, que quer dizer presença. A segunda fase é chamada de o retorno ou aparecimento glorioso, do grego ephipania, que quer dizer manifestação gloriosa.
Acreditamos que a primeira fase da segunda vinda de Cristo trata apenas do arrebatamento da Igreja, abrangendo assim, os salvos em Jesus. Após o arrebatamento, a Igreja participará do Tribunal de Cristo (2 Co 5.10) e das Bodas do Cordeiro (Ap 19). Enquanto isso, o mundo estará passando pelo período sombrio da Grande Tribulação.
A segunda fase é o aparecimento glorioso ou a manifestação gloriosa da sua vinda, onde Cristo virá com a sua Igreja (que havia sido arrebatada) a fim de vencer o Anticristo, julgar as nações, receber Israel convertido e estabelecer seu reino milenial.
Logo abaixo mostramos categoricamente a verdade bíblica acerca da segunda vinda de Cristo em duas fases distintas.

FASES DA VINDA DE JESUS
1ª)Ocorre o arrebatamento da Igreja (1 Ts 4.16-17); 2ª)Ocorre o retorno glorioso (Ap 19. 11-20)
1ª)Cristo vem para os seus (Jo 14.3); 2ª)Cristo vem com os seus (Cl 3.4)
1ª)Será invisível para o mundo (1 Co 15.52); 2ª)Será visível para o mundo (Ap 1.7)
1ª)Cristo vem como o Noivo (Mt 25.1-6); 2ª)Cristo vem como Rei dos reis (Ap 19.16)
1ª)Cristo vem para receber a Igreja (Jo 14.3); 2ª)Cristo vem para ser recebido por Israel (Zc 12.10)
1ª)Cristo vem para as Bodas (Mt 25.10); 2ª)Cristo vem para julgar as nações (Mt 25.31-45)
1ª)Cristo vem para as virgens (Mt 25.1); 2ª)Cristo vem para as nações (Mt 25.32)
1ª)Cristo vem até os ares (1 Ts 4.17); 2ª)Cristo pisará no Monte das Oliveiras (Zc 14.3-4)
1ª)É a bendita esperança (Tt 2.13a); 2ª)É o glorioso aparecimento (Tt 2.12b)
1ª)Cristo vem como a Estrela da manhã (Ap 22.16); 2ª)Cristo vem como o Sol da Justiça (Ml 4.1-2)

Convém dizer que não concordamos com a tese de que a Igreja passará por metade do período de sete anos da Grande Tribulação, com base em todos os versículos já citados e ainda com o fato de que a Bíblia declara que existe na presente Dispensação um agente que impede que o Anticristo se manifeste ao mundo. Vejamos o texto de 2 Tessalonicenses 2.6-8 (grifo nosso):

E, agora, vós sabeis o que o detém, para que a seu próprio tempo seja manifestado. Porque o mistério da iniqüidade já opera; somente há um que, agora, o detém até que do meio seja retirado; e, então, será revelado o iníquo, a quem o Senhor desfará pelo assopro da sua boca e aniquilará pelo esplendor da sua vinda.

Acreditamos que aquele que detém a manifestação do iníquo é o Espírito Santo que habita a Igreja de Deus; e que após o arrebatamento da Igreja, o Anticristo será revelado, dando início à Grande Tribulação. Outrossim, nessa passagem é dito que o Anticristo será derrotado por Jesus pelo esplendor da sua vinda, ou seja, a manifestação gloriosa da vinda de Cristo ao fim da Grande Tribulação.
Destarte, amados irmãos em Cristo, devemos aguardar com confiança a vinda de Jesus para arrebatar a Sua Igreja. Que possamos alegremente dizer Maranata! Ora, vem, Senhor Jesus! (Ap 22.20).

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

O Senhor que bate na porta (escrito por Sidcley Rodrigues do Amaral)



Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e com ele cearei, e ele, comigo. (Apocalipse 3.20)
Estas palavras foram ditas pelo Senhor Jesus para uma igreja cristã, a saber, a igreja na cidade de Laodicéia, que estava situada na região conhecida como Ásia Menor, no Oriente Médio.
O mais espantoso é a posição onde Jesus se encontrava: do lado de fora da porta!

Esse é o lugar onde Jesus é deixado quando a pessoa se ocupa mais consigo do que com a comunhão com Deus. Isso acontece quando Jesus é deixado em segundo plano e buscamos mais as coisas terrenas. O mesmo acontece quando deixamos que o pecado domine os nossos corações. Não há lugar para a coexistência com Cristo, pois Ele mesmo disse que ninguém pode servir a dois senhores (Mt 6.24).
Jesus, no entanto, não desiste de ninguém! Nem mesmo de uma congregação inteira, como a de Laodicéia, que o deixou do lado de fora.
O apelo de Jesus à "igreja morna" continua sendo um convite amoroso e persistente a todos que vivem na mornidão espiritual. Saiba que Jesus é o Deus da restauração!

Ele disse: "Eis que estou à porta" - Ele "está", ou seja, não se cansou de esperar, não se cansou de bater, ainda aguarda que você abra a porta de seu coração. Essa porta somente poderá ser aberta por você. Jesus não empurra a porta, nem derruba a porta, nem ameaça invadir como um salteador ou ladrão. Ele espera que a porta seja aberta pelo dono da casa.
Ele disse: "...estou à porta e bato" - o Senhor não está inerte em frente da porta fechada. Ele está batendo na porta. E Ele bate na porta do coração do homem de várias maneiras: através da pregação da sua Palavra, Ele bate na porta; através do louvor que é cantado, Ele bate na porta; pela doutrina pastoral, Ele bate na porta; no pedido de perdão que alguém nos faz, Ele bate na porta; através da mensagem neste blog, Ele bate na porta. De uma coisa tenho certeza: Jesus sempre bate na porta fechada do coração endurecido a fim de restaurar a comunhão com Ele.
Ele disse: "...se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta" - Quantas pessoas ouvem a voz de Deus e não a reconhecem. Muitos não são mais sensíveis à voz do Espírito Santo. É preciso reconhecer que está vazio, para depois ser cheio de Deus. É preciso reconhecer que é pecador, para ser perdoado. Outrossim, é preciso deixar o orgulho e humilhar-se aos pés do Senhor para podermos entender a sua voz. A porta somente pode ser aberta pelo lado de dentro. Jesus não entrará de outra forma. Ele só entra se nós deixarmos. Ele só nos usa se dermos espaço para Ele nos usar. O Senhor fará maravilhas em nosso meio se buscarmos a santificação (Js 3.5). Ele derrama água para o que está sedento e vem a Ele (Is 44.3; Jo 7.37). Quem pede, recebe; quem busca encontra (Mt 7.8). Se você clamar, Deus responde (Jr 33.3). O Senhor somente entrará na casa de quem abrir a porta.
Ele disse: "...entrarei em sua casa, e cearei com ele, e ele comigo" - Não importa o quanto você tenha ficado distante de Deus, mesmo estando numa igreja. Jesus não leva em conta as vezes que você negligenciou o compromisso para com Ele. O Senhor quer te restaurar à comunhão. Se você abrir a porta, com arrependimento e humildade, Jesus fará isso na tua vida. O Senhor restaurará o primeiro amor e o fervor espiritual. Veja o que Ele faz: quando a porta é aberta, Jesus entra e faz um banquete! Ele sempre quer cear conosco. Ele sempre quer ter comunhão conosco. O Senhor quer ouvir as nossas orações, quer receber nossos jejuns, quer abençoar a obra que fazemos para Ele. O Senhor quer abençoar a nossa casa e a nossa vida.
Amado leitor, Deus quer sempre está habitando em teu coração. Esteja sempre aberto para Ele.
"E buscar-me-eis e me achareis quando me buscardes de todo o vosso coração" (Jr 29.13).